8 ½ FESTA DO CINEMA ITALIANO

domingo, setembro 17, 2017

Boas notícias pra você que gosta de cinema! 

Depois de 10 anos de sucesso em dezenas de cidades a Festa do Cinema Italiano voltou para o Brasil. E além das cidades de São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba, este ano as cidades de Salvador e Recife também participaram.

A edição nacional da 8 ½ Festa do Cinema Italiano, reuniu sete longas contemporâneos, todos inéditos no Brasil e exibidos simultâneamente em todas as cidades do Espaço Itaú e no Cinema São Luiz, em Recife.

Em Guerra por amor (In guerra per amore), Algo de novo (Qualcosa di nuovo), Histórias de amor que não pertencem a este mundo (Amori che non sanno stare al mondo), Deixa Rolar (Lasciati andare), A Hora Oficial (L'ora legale), Paro quando quiser "Masterclass" (Smetto Quando Voglio, Masterclass) e o filme que vamos falar hoje; "O Fantasma da Sicília".

Sucesso de crítica no último Festival de Cannes e baseado em fatos reais, o longa conta a história do desaparecimento de Giuseppe di Matteo, um adolescente de 13 anos, filho de um ex mafioso que estava colabarando com a justiça. Os cineastas conseguiram transformar a história de um sequestro que chocou a nação italiana na década de 90 em um conto de fadas.
Parando por aqui para não dar muito spoiler, o filme recebeu o prêmio de melhor roteiro no festival americano Sundance Film Festival em 2016. Então fica a dica!



Estivemos em São Paulo, no Espaço Itaú de Cinema na Rua Augusta (mostramos lá no stories do instagram. Já segue?  oi_roma ), onde os diretores do filme Fabio Grassadonia e Antonio Piazza responderam algumas perguntas do público.



O porque da história de amor? Já que na história real isto não aconteceu?
R: Quando começamos a trabalhar no roteiro, achamos que não seria possível contar esta história, por ser muito triste, e para amenizar usamos a fábula. Na história original o protagonista não conheceu o amor, e resolvemos dar a Giuseppe este presente.

Como o filme foi recebido pelo público siciliano já que se trata de uma história real e tão trágica como foi o sequestro do Giuseppe Di Matteo?
R: O Filme foi muito bem recebido, foi além da expectativa. Claro que por ser baseado em uma história real, passada na Sicília, foi muito delicado. A nova geração já não tem a lembrança do sequestro de Giuseppe, que ocorreu nos anos 90 e que simboliza bem aquele período sangrento. Apresentar o filme para uma geração que não vai mais ao cinema, muitos rapazes e moças da idade dos protagonistas nunca entraram em uma sala de cinema, o desafio foi fazer um filme de uma história real de sequestro, passado na Sicília e ainda apresentar no cinema. Para isto conseguimos convencer os distribuidores a fazerem seções para escolas, fizemos este trabalho por toda Sicília, inclusive nas pequenas cidades, e a reação dos adolescentes foi extraordinária. Ainda está em cartaz e em outubro e novembro será exibido em todas as escolas da Sicília. 

O que vocês conhecem do cinema brasileiro?
Conhecemos muito pouco, não chegam muitos filmes brasileiros na Itália. Mas na preparação de O Fantasma da Sicília, vimos diversos filmes protagonizados por crianças e dentre eles o Brasileiro Pixote: A Lei do Mais Fraco, que vai mais ao encontro de cinema social, bastante diferente do nosso, que é uma fábula.

E pra fechar, fiquem aqui com o trailer do filme que entra em cartaz no circuito brasileiro ainda este ano. E para a nossa alegria a Festa do Cinema Italiano  volta o ano que vem!

E você, gosta do cinema italiano? Conte aqui pra gente qual o seu filme preferido.







Outros posts que você pode gostar:

0 commenti